Início » Blog » DGS dá parecer negativo sobre ecrã para adeptos no exterior do Bessa

DGS dá parecer negativo sobre ecrã para adeptos no exterior do Bessa


A Direção-Geral da Saúde (DGS) deu parecer desfavorável ao pedido do Boavista para instalar um ecrã gigante para os adeptos no exterior do Estádio do Bessa, segundo confirmou esta sexta-feira à agência Lusa fonte do clube da Liga.

Na quinta-feira, os «axadrezados» tinham solicitado junto daquela autoridade, das forças policiais e da Câmara Municipal do Porto a montagem de um ecrã para os adeptos poderem assistir ao jogo de sábado com o Portimonense, da 33.ª e penúltima jornada.

O Boavista comprometia-se a «cumprir todas as regras de segurança e distanciamento social atualmente em vigor», mas a DGS justificou o parecer negativo com a possibilidade de o evento vir a estimular ajuntamentos de pessoas em plena pandemia de covid-19.

A Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) anunciou na quarta-feira que apenas os jogos da 34.ª e última jornada do campeonato, ainda sem horários definidos, vão poder contar com dez por cento da lotação dos estádios.

«Depois de ter tido conhecimento de que os jogos da última jornada da I Liga vão ter público nas bancadas, o Boavista – em conjunto com LPFP, Federação Portuguesa de Futebol e outros clubes – fez todos os esforços para que fosse possível estender essa medida à 33.ª jornada», explicou o presidente Vítor Murta, numa nota enviada à Lusa.

Inserido na fuga à despromoção, o Boavista, no 16.º e antepenúltimo posto, de acesso ao play-off de manutenção com o terceiro da II Liga, com 30 pontos, dois acima da zona de descida direta, acabará a prova com a receção ao Portimonense e a visita ao Gil Vicente.

«Tal não foi possível, pelo que sublinho a evidência desta opção discriminatória e injusta, capaz de colocar em causa a verdade desportiva e a igualdade entre os participantes. Sentimo-nos fortemente prejudicados por não termos os adeptos connosco numa fase decisiva, ao contrário do que acontecerá com alguns dos nossos concorrentes», conclui.



Fonte

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *