Categories
Notícias

Costinha e a Seleção: do lance com João Pinto às picardias com Henry

[ad_1]

Herói improvável na vitória de Portugal frente à Roménia, no segundo jogo da fase de grupos do Euro 2000, Costinha recordou esse momento, com a revelação de um pormenor curioso a envolver Paulo Bento.

«Onde estava a 17 de junho no 2000? Estava a participar num grande evento por Portugal, e durante sensivelmente 85 minutos a assistir do banco ao Roménia-Portugal com os meus colegas. Entrei porque era um jogador com características mais defensivas e no final sou que que faço o golo frente à Roménia, de cabeça», começou por dizer, em entrevista à TVI.

«Há até uma história particular: foi o meu grande primeiro torneio pela Seleção e essa equipa estava cheia de jogadores com estatuto enorme e foram todos para a área. E eu, o mais novinho de todos, comecei a fazer o moonwalk do Michael Jackson para a defesa. E o Paulo Bento diz-me: ‘Miúdo, o que vens para aqui fazer (…) Vai já para a área que tu és bom de cabeça?’», prosseguiu.

Costinha não escondeu o orgulho por ter representado a equipa das quinas, «o capítulo mais orgulhoso da carreira» e contou outra história curiosa desse Euro: «Não tenho uma camisola do Euro 2000. Tinha camisolas do Trezeguet, do Henry, e desapareceram misteriosamente de um saco quando me mudei do Mónaco para Lisboa.»

Por falar em Henry, o antigo médio do FC Porto revelou mais uma história com o francês, quando ambos eram jogadores do Mónaco, e relembrou ainda a forma como se impôs na Seleção Nacional.

«No Mónaco, o Henry irritava-me solenemente porque dizia-me. ‘França-Portugal… pois é. Vocês, Dani, Nuno Gomes, João Pinto, tudo bonitinho. E nós feios. Eu, Anelka, Treguezet. Mas no final ganhamos sempre.» E eu não podia dizer nada, porque era verdade», referiu.

«O meu espaço foi conquistado de forma muito personalizada. O facto de eu ir à Seleção não significafa que tivesse de estender o tapete vermelho ao Figo, João Pinto, Rui Costa. Lembro-me de num treino o João Pinto ter ficado a olhar para mim por causa de um lance mais disputado e eu disse-lhe: ‘João, tu já cá estás há muito tempo, eu acabei de chegar. Se abro a porta a todos, daqui a pouco o mister manda-me embora’. Mas fui muito bem-recebido. Foi uma das gerações que mais me ensinou em termos de comportamento do futebol», atirou.

Sobre o Euro 2020, Costinha deu a receita à equipa de Fernando Santos com uma citação de… Ruben Amorim: «A Seleção Nacional está muito bem entregue, temos um excelente treinador e uma grande geração de jogadores. Temos demonstrado que não somos inferiores a ninguém. Como diz o Ruben Amorim, é tentar os três pontos jogo a jogo para depois chegarmos à fase que importante e tentarmos a final.»

[ad_2]

Fonte

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *